Sábado, Julho 13, 2024
InícioBebêBebê chorando - Como saber o motivo?

Bebê chorando – Como saber o motivo?

Bebê chorando: o quê fazer? Como saber o motivo? Como ajudá-lo? Essas são as perguntas mais comuns dos pais de bebês que ainda não sabem falar. Afinal de contas, pode ser muito angustiante cuidar de um bebê que chora muito e não se sabe o motivo. 

Os primeiros meses podem ser ainda mais desafiadores pois toda a família está se conhecendo. Os pais ainda não conhecem o bebê o suficiente e ficam apreensivos ao vê-lo chorar inesperadamente. Isso acontece principalmente no final do dia, quando tudo parece ficar mais intenso. Mas a verdade é que os bebês podem chorar por muitos motivos e decifrar esse choro pode não ser tão difícil o quanto parece. Antes de mais nada é importante lembrar que os bebês choram porque se comunicam assim. Logo podem chorar por qualquer motivo: desde fome até coceira no dedão do pé.

Desta forma, saber perceber essas características pode ajudar a identificar o motivo com mais velocidade e consequentemente ajudar o bebê com mais eficácia. Pois isso garantirá que não vai cair em ciladas do “leite fraco”, de dar chazinho ou quem sabe até se sentir culpada ou que não está dando conta do recado.

Imagem de Freepik: Bebê chorando – Como saber o motivo?

Bebê e o choro de fome

Sem dúvida é o choro mais comum em recém-nascidos. Isso porque o estômago de um bebê tem o tamanho de uma pequena cereja nos primeiros dias. O tempo que ele aguenta entre uma mamada e outra pode ser muito curto, com isso, o bebê sinaliza a necessidade de encher o estômago novamente. Esse choro que tem as seguintes características: INTENSO, CURTO, AGUDO, ESTRIDENTE E INTERMITENTE. Ele tende a ser mais comum no momento que o bebê acorda e poderia ser descrito como o famoso “unhé, unhé, unhé”. Junto desse choro você pode observar outras características. O bebê “fuçando”, chupando a mãozinha com força, abrindo a boca em várias direções, sugando o lábio ou a língua, fazendo sons estranhos como se fossem pequenas “tosses”. Os bebês que usam chupeta podem sugá-la com muita força.

O choro de hiper-estimulação

O bebê ficou acordado por muitas horas, irritado e agora começa a chorar incessantemente. Esse é um dos um dos principais fatores de estresse para as mães pois aqui os palpiteiros amam falar que o leite é fraco isso porque que o bebê não irá se acalmar no peito. Caso você não saiba, bebês com menos de 30 dias aguentam apenas em média 20 a 40 minutos acordados antes de precisarem dormir. Esse choro tem uma característica muito clara:  INTENSO, LONGO, AGUDO, ESTRIDENTE E CONSTANTE. Afinal, diferente do choro de fome que costuma ser “unhé, unhé, unhé”, o choro de hiper-estimulação costuma ser “unhéééééééééééé”, normalmente tem pelo meu os 3 ciclos de 20 minutos de choro em (o que costuma ser confundido com cólica).

E o choro de dor?

Os choros de dor, quase sempre relacionados à cólicas  gases acabam sendo acompanhados de expressões faciais intensas, movimentação das pernas contra o próprio corpo e gritos estridentes. Costumam ter início súbito, inclusive quando o bebê está dormindo. Ele pode ser potencializado pelo fato do bebê estar hiper-estimulado e pode ser amenizado com mudança no posicionamento do bebê (colocar de bruços), banho morno ou compressas mornas na região do abdômen. Até o terceiro mês é mais comum episódios de cólicas pela imaturidade do sistema gastrointestinal do bebê, o pico das cólicas tende a ser próximo do segundo mês de vida. Mães de prematuros devem considerar a idade corrigida.

Para ser mais assertiva, eu sempre recomendo que as mães pratiquem uma pequena pausa antes de atender o bebê que está chorando. Dessa forma, nessa pausa você deve observar: os movimentos do corpo do bebê, o ambiente – calor, frio, ruídos ou barulhos, cheiros fortes – o quê o bebê estava fazendo quando começou a chorar (exemplo: se ele já estava acordado há muito tempo pode ser hiper-estimulação, se ele recém acordou de uma soneca tem mais chance de ser sono), verificar as condições da fralda, e então passar a verificar a característica do som do choro.

Isso ajudará a conseguir ajudar o bebê sem ficar com dúvidas. Essa segurança ajudará o bebê a se acalmar já que vocês compartilham muito da vida enquanto ele está nessa fase de recém-nascido. Sempre lembre que bebês são únicos e podem ter como característica da personalidade serem mais “chorões” e isso é absolutamente normal. Se você notar choro persistente acompanhado de outros sinais de alerta como febre, diarréia, falta de apetite ou apatia procure um médico e peça uma avaliação.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Poliana coimbra do Bonfim sobre Pico de crescimento